Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 28 de agosto de 2016

Governo vai vender imóveis para fazer caixa

Escola deputado Alberto Monteiro, no Mocambinho, está na relação dos bens avaliados pela Emgerpi
A estratégia do Governo do Estado para cobrir o rombo de R$ 65 milhões por mês e fazer um fundo para a previdência é vender terras no Cerrado Piauiense e imóveis, que são patrimônio do Estado, a maioria da Educação e da Saúde. Atualmente, a folha de aposentados e pensionistas do estado tem 42 mil benefícios a um custo de R$ 105 milhões por mês.
A Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi) confirmou que está avaliando os imóveis da Secretaria de Educação e da Secretaria de Saúde para a venda. Nesse primeiro momento, a expectativa é que arrecadem R$ 101 milhões com esse negócio.
A negociação foi autorizado pelo Decreto Estadual nº 16.570/2016, e a equipe técnica da Diretoria de Regularização Patrimonial Imobiliária da Emgerpi  está responsável para fazer as avaliações de todos os imóveis. 
Nesta quarta-feira (24), a Emgerpi entregou para a Secretaria de Administração e Previdência do Piauí (SeadPrev) a  primeira relação dos imóveis avaliados. Na primeira etapa, foram avaliados 26 imóveis da Educação, sendo que o valor total dos bens avaliados ultrapassa R$ 101 milhões. Os valores contabilizados poderão ser usados no Fundo de Previdência do Estado do Piauí.
Conforme o secretário de Administração, Franzé Silva, o que o Estado arrecada mensalmente não consegue pagar os gastos que são feitos na Previdência. Para ele, esta seria uma forma de evitar que  retirem recursos setores como da educação, saúde e segurança para aplicar na Previdência.
"O momento que vive a Previdência do Piauí não é diferente do que vivem outros estados, ou mesmo a União. Tem um déficit e esse déficit é basicamente bancado pelo erário. Essa proposta está dentre as medidas saneadoras para evitar que aconteça no Piauí o que acontece em outros estados, que tiveram um déficit previdenciário crescente, levando o desequilíbrio das contas", disse.

Segundo o diretor-presidente da Emgerpi, Ricardo Pontes, esta ação possui dois objetivos, que é ter o real valor dos bens imóveis que o Estado possui. E, através destas avaliações,  vender os imóveis com os recursos revertidos ao Fundo Financeiro do Regime Próprio de Previdência do Estado do Piauí.(LC)