Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

LAGOA DO PORTINHO: DEPOIS QUE SECOU?!!!

Lagoa do Portinho, antes mesmo de secar a estrada já estava interrompida pelas dunas que deixaram de remover como era feito antes para que a estrada nao ficasse interditada.
Depois que secou?
Equipe técnica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar) esteve em reunião, nessa quinta-feira (15), com o prefeito de Parnaíba, Florentino Neto, para discutir ações a serem executadas para revitalização da Lagoa do Portinho, manancial costeiro localizado entre os municípios de Parnaíba e Luís Correia. Depois que a lagoa secou o poder público acordou, foi?
Não me deixem só
O candidato que era considerado eleito antes de começar a campanha eleitoral em Parnaíba está em queda livre vertiginosamente e o paraquedas insiste em não abrir. Já apelaram para o governador e até ex-prefeito, mas nada tem dado resultado. Se continuar assim pode chegar no dia 2 de outubro amargando a terceira ou até mesmo a última colocação. Na última reunião, dizem que ele bateu na mesa e disse: “Não me deixem só!”.  ”Cunversa!”.
Falem de mim, mas falem!
Tem um vereador da oposição que vem sendo perseguido, mas o homem é duro na queda. Quanto mais batem no homem mais ele cresce no gosto da população.  Provavelmente seus perseguidores desconhecem a máxima, “falem bem ou mal, mas falem de mim!”.
Servidores querem data para salários
Na próxima quinta-feira (22), os servidores municipais da educação em Parnaíba irão realizar uma grande paralisação contra a administração do prefeito de Parnaíba, Florentino Neto (PT). A principal reivindicação dos profissionais é a definição de uma data fixa para o recebimento dos salários. Oxente! E no debate o prefeito não afirmou que estava tudo em dias, não havia atraso? Quer dizer que era lorota, é?
Violência banalizada
Em Parnaíba a violência está banalizada. Todos os dias ao amanhecer as conversas entre vizinhos é procurar saber o que aconteceu durante a noite. Relatos de tiroteios, gente baleada ou perfuradas de facas, gente encontrada morta em matagais, motos e objetos pessoais roubados ou assaltados. É a banalização do crime. (Por José Wilson | Jornal da Parnaiba)
Da Coluna "Leitura Objetiva"