Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Donos de Escolas ainda esperm pagamento Carnaval 2016 e recebem de Mão Santa promessa de mudanças no sistema de premiações

                    Mão Santa e Teófilo discutem o carnaval 2017
Ainda endividados por conta do não pagamento da premiação a que fizeram jus em fevereiro, quando dos desfiles do carnaval 2016, os presidentes das 3 únicas Escolas de Samba de Parnaíba afirmam que ainda estão confiantes na palavra a eles empenhada pelo prefeito Florentino Neto, de que o referido pagamento vai ser feito antes dele deixar o governo. Mas eles, por outro lado, já se comprometeram com o prefeito eleito Mão Santa e com o próximo superintendente de Cultura, Teófilo Lima, que vão participar do carnaval 2017. 
Os presidentes das Escolas de Samba "Unidos da Ponte", "Império do Cais" e "Nova Parnaíba no Samba", respectivamente, Paulo Ferreira, Cafuringa e Ronaldo Liberato, estiveram em reunião com Mão Santa e Teófilo na semana passada e receberam dele a garantia de que a sistemática de pagamento será modificada, a fim de evitar que os carnavalescos passem meses esperando uma a premiação a que fazem jus no concurso dos desfiles.
                  Escola Nova Parnaíba no Samba - campeã 2016
"Já falamos com o futuro secretário de fazenda, Paulo Aírton e Mão Santa já autorizou que as premiações do ano que vem, que terão os mesmos valores do ano passado, por conta da crise econômica, serão pagas em 3 parcelas: sendo uma em janeiro, outra em fevereiro, mês que acontece o carnaval (28)e a 3ª, será complementada de acordo com a classificação de cada escola.", explicou Teófilo Lima. Como isso tem fim a humilhação a que eram expostos os donos das escolas, que se comprometiam comprando fiado para porem as escolas na avenida e depois o pagamento dos prêmios sempre era atrasado, provocando o constrangimento das cobranças dos comerciantes.
Outras novidades, segundo ainda Teófilo Lima, estão sendo formatadas. "Mas vamos incentivar a participação maior dos blocos, levando o carnaval também para os bairros e encontrar uma forma de voltar os arrastões dos desfiles até a beira rio, como forma também de incentivar o comércio daquela área", pontuou.