Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

O Carango da Quite

Antônio Gallas
      
Meu sobrinho Prodamor passou uma temporada no Rio de Janeiro. Pouco mais de um ano, mas foi o suficiente para aprender um pouco da gíria e da malandragem do carioca. Como todo nordestino que se preza, Prodamor voltou do Rio, cheio de gírias, arrastando a voz para imitar o sotaque carioca. Um pouco do que aprendeu na Cidade Maravilhosa. Antes de retornar, ligou para a família a fim de avisar que estava de regresso. Quem atendeu ao telefonema foi seu Hipólito, pai do Prodamor.
Escuta aí ô coroa, diz Prodamor. Tô batendo esse fio, prá avisar prá patota que to abrindo no rumo daí. As coisas aqui não tão muito boas, não! Vou pegar o buzu na Grande Rio, amanhã, bem no cagar dos pintos. Vou de buzu porque a bufunfa tá curta e não dá prá pagar a passagem de asa dura. Pega  o carango e vai me esperar na rodô  da  Parná, no sábado pela manhã”.
Seu Hipólito ouviu, entendeu, mas não gostou. Muitas gírias que ele não estava acostumado a ouvi-las.
Quando Prodamor chegou foi aquela festa. Abraços, beijos, todos curiosos para saber que presentes ele havia trazido.
No Domingo, Prodamor levantou cedo, preparou um sanduba, tomou café, esperou seu Hipólito sair dos aposentos e lascou:
Ô velho, descola aí o carango, que vou pegar uma praia na companhia de uma minas e depois tomar uns birinaites e como você sabe né broder, não dá prá ir de pevete, só de pé-de-borracha, morou”?
Seu Hipólito fazendo das tripas coração para não perder a calma e mandar um direto nas fuças do Prodamor, pacientemente respondeu-lhe: 
“Infelizmente, hoje, não posso lhe arranjar o carango meu filho, pois vai estar à disposição da Quite”
 “Que Quite?” Indagou Prodamor...
Calmamante, seu Hipólito respondeu: “a qui ti pariu, fela da puta”!!!