Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Gêmeos articulavam quadrilhas de dentro de presídio; 29 são presos

  • 0cc59ad1-bad6-4d85-b29e-d2fb3b61f7e6.jpgDarival Junior/TV Cidade Verde
  • 5b31a6b4-7698-4650-81a5-672af535e60f.jpgDarival Junior/TV Cidade Verde
  • 6b01ebf0-321c-4abe-bf44-bfc981b51294.jpgDarival Junior/TV Cidade Verde
  • 842c8ded-552b-4934-b706-827a7487ae88.jpgPolícia Civil
  • 80120393-0f8d-4325-b546-07c64cd67e60.jpgDarival Junior/TV Cidade Verde
  • acb0c28a-40fd-4e5a-9a6a-ee03dde89e0a.jpgDarival Junior/TV Cidade Verde
  • ba459410-f732-4173-be06-719db86ce706.jpgDarival Junior/TV Cidade Verde
  • dc622954-5d45-4cd6-bc50-564d282181cc.jpgPolícia Civil
  • fd0c59ef-d4fb-43e4-b574-6e97337b7b3f.jpgDarival Junior/TV Cidade Verde
Subiu para 12 o número de prisões realizadas durante a Operação Tsunami, que foi deflagrada na manhã desta quarta (22) em três cidades do litoral do Piauí e na capital Teresina. Os presos estão na Central de Flagrantes de Parnaíba e na sede do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), em Teresina. Entre os suspeitos estão os gêmeos Alan e Alex que já estavam presos na penitenciária Irmão Guido e comandariam as ações criminosas de dentro do presídio. Ao todo, desde o início das investigações, 29 pessoas foram presas. 
"Os gêmeos são antigos na prática de delitos, são homicidas e assaltantes. Então, esses crimes que eles praticaram faz com que tenham o poder e o renome dentro da prisão. Eles cooptam pessoas para que mesmo presos, essas pessoas possam fazer assaltos por ordem deles. O contato com ‘o mundo externo’ se dava de várias formas como correspondências, através de contato direto por meio das visitas e estamos averiguando a questão do celular", explica o coordenador do  Greco, o delegado Willame Morais.
Com relação aos gêmeros, Willame ressaltou que agora caberá ao sistema prisional custodiá-los para que não cometam mais crimes. "Provalmente, pelo fato de ainda praticarem ações criminosas deverão ser transferidos para uma unidade prisional de regime fechado onde tem uma segurança maior", acrescentou.  
A operação Tsunami foi desencadeada pela Delegacia Regional de Parnaíba, Greco, Núcleo de Inteligência da SSP-PI (Núcleo Parnaíba), com o apoio da Delegacia de Piracuruca. Como alguns alvos eram comuns às duas investigações, resolveu-se fazer uma mesma operação.
"Nós resolvemos unir as duas operações porque haviam integrantes em comum. Então,desde o início das Investigações até hoje, nós já tínhamos 12 pessoas presas e, hoje, prendemos mais três pela Greco. A operação de Parnaíba já tinha prendido cinco pessoas e, nesta quarta,perdeu outras 9 pessoas. Então, hoje foram cumprindo 12 mandados de prisões e, ao todo, 29 pessoas estão presas", explicou o delegado. 
A operação tem como principal objetivo desbaratar uma quadrilha de assaltos a residências de luxo e suspeitos de envolvimento nos estouros de caixas eletrônicos no Piauí. Também foram apreendidos armas e veículos. 
As investigações iniciaram há cerca de dois anos e visavam apurar assaltos em residências de empresários, médicos, comerciantes e empresas.
“Nós temos aqui uma organização criminosa bastante preparada e que era dividida entre tarefas. Esse tipo de crime quase que não tem como evitar, pois eles fazem todo um levantamento prévio, toda uma investigação da vítima para atuar com segurança. São raras às vezes que as vítimas conseguem perceber o esquema”, comentou Willame. 
Uma das pessoas resposáveis por fazer o levantamento era uma funcionária da Prefeitura de Parnaiba, identificada como apenas como Roberta. "Ela fazia toda uma invetigação, um levantamento, de qual seria a melhor hora da quadrilha agir", ressaltou o coordenador.  
Os 13 mandados de busca e apreensão e 18 de prisões foram cumpridos em Parnaíba, Luís Correia e Piracuruca, além de Teresina.
Carliene Carpaso
redacao@cidadeverde.com