Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 11 de julho de 2017

TURNÊ AS MALDITAS EM PARNAÍBA

Após as apresentações em Bom Jesus e Oeiras o espetáculo “As Malditas” segue turnê para as cidades  José de Freitas, Pedro II e ParnaíbaAs apresentações acontecem nesta quinta feira em José de Freitas (13/07) no Barítono Raimundo Pereira, em Pedro II (14/07) no Auditório Padre Norberto e em Parnaíba (15/07) no Espaço Balaio. Entrada Franca.
"Duas irmãs com nome de flores e almas de espinhos". Já por esta frase se começa a definir por onde anda o enredo das duas mulheres que dividem casa, intrigas e alfinetadas necessárias à própria sobrevivência incontrolável.
Um conturbado relacionamento das irmãs Rosa e Margarida, que ao complexo de "Malditas" aguçam uma rede de intrigas dadas ao cotidiano de uma (in)feliz convivência. Por sete anos dividem um toma lá, dá cá, para "devoção familiar" de parentas que não se suportam. 
A montagem reconta a última noite que passaram juntas, se amaldiçoando por tudo que fizeram, ou deixaram de fazer uma à outra. A peça já recebeu diversas montagens Brasil afora e sempre com uma boa recepção, pelo teor cáustico cômico.
O texto original tragicômico é do paraibano Saulo Queiroz. Ele, de uma geração de autores/as dramaturgos/as que compõem o nicho literário dramático nordestino, no cenário da Paraíba. A história foi escrita em 1997. 
O autor criou uma trama, de irmãs antagônicas que devem favores uma à outra e que geram uma "guerra" intra-paredes, em acelerado processo de armar o destino que defina que vai sobreviver às delicadas doses de "veneno" que preparam para a sorte dos próprios futuros.
Margarida é analfabeta, viúva, pobre e desenvolve um fanatismo religioso. Rosa é deficiente física, professora universitária aposentada e apreciadora de música erudita. Seus ouvidos afinados ao clássico a faz sentir-se "melhor" que o mundo, da irmã de pouca cultura. Elas vivem, a contragosto, uma difícil relação de dependência mútua. E não alimentam bons sentimentos acerca da vida familiar e da existência.
Uma coisa em comum? O mesmo sangue e o mesmo ódio. Um ódio surgido na infância que atravessou a adolescência e encontrou maior vigor em plena meia idade. Ironicamente o destino lhes pregou uma peça, são obrigadas a viverem sob o mesmo teto. Essa vida que as reúne e impõe dependência mútua é também a que jamais podem propiciar uma trégua, de verdade, dentro das tramas de fingimento e de falsas atenções familiares.
Uma, financeira e profissionalmente, bem sucedida, mas paralítica amarga. Outra, "sozinha" no mundo, mas jamais ambicionou um espaço maior que a própria cozinha. E, numa situação de quase abandono, se sujeita ao conforto e bondade da irmã paraplégica. Dividem um velho casarão e, dessa forma, terminam seus dias fazendo às vezes, ou quase sempre, uma companhia infernal uma à outra.
Atuam no espetáculo tragicômico, os atores Carlos Anchieta e Franklin Pires. Juntos pela primeira, Anchieta e Pires, têm experimentado o doce sabor da vitória na cena e dos "desvios" encontrados à construção da personagem que trazem, à cena, com gosto de crimes delicados.
A produção executiva do espetáculo é de Carlos Anchieta & Bid Lima; cenografia de Bid Lima e Manu Andrade; figurinos de Bid Lima; caracterização e maquiagem de Danilo França; sonoplastia de Márcio Brytho e luz de Pablo Erickson.
A peça conta com o apoio do Governo do Estado, através da Secretaria Estadual de Cultura.  
“O espetáculo vem com um texto muito rico, que passeia pelo drama, mas vem com umas pitadas de comédia. Esperamos que o público goste”, diz o ator Carlos Anchieta.
Serviço:
"As MalDitas"
ESPAÇO BALAIO
15/07 - SÁBADO
ENTRADA FRANCA
ÁS 20:00 HORAS
CENSURA – 14 ANOS
INFORMAÇÕES: 86.9406 8310