Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Comércio fechou 2 mil lojas, demitiu empregados e cresceu menos no Piauí, diz o IBGE

Centro comercial de Teresina
O comércio do Piauí andou para trás entre 2014 e 2015. É o que revela a Pesquisa Anual de Comércio (PAC), do IBGE, divulgada na tarde desta quinta-feira. De acordo com a pesquisa, o setor até cresceu nominalmente, mas em termos reais houve queda de 5,57%, com saldo negativo superior a 7,1 mil empregos e fechamento de 2.721 estabelecimentos comerciais.
Segundo a pesquisa, na comparação com 2014, o comércio no Piauí apresentou um crescimento de 5,1%. Mas como em 2015 a inflação oficial medida pelo próprio IBGE chegou a 10,67%, em termos reais o crescimento foi negativo em 5,57%.
A receita bruta de revenda e de comissões sobre vendas no Piauí somou R$ 26.328.920.000,00 e representou 0,77% do total da receita do Brasil em 2015. Isso fez do Estado o 21º colocado entre as unidades da federação no setor de comércio.
O Estado de São Paulo ocupa a primeira posição em termos de receita de revenda (31,31%), seguido de Minas Gerais (9,31%) e do Rio de Janeiro (8%).
O crescimento negativo em 2015 certamente se refletiu sobre menor geração de empregos pelo setor. O comércio fechou o ano com 7.122 empregados a menos que em 2014, o que representou uma redução da ordem de 6,77%.
Até 31 de dezembro de 2015, estavam empregadas no setor comercial no Piauí 98.036 pessoas, ou 0,95% do total de mão de obra ocupada no segmento em todo o Brasil.
Em 2015 o setor comercial terminou o ano com 7.122 empregados a menos que em 2014, o que representou uma redução da ordem de 6,77%.
Menos empregos, menos estabelecimentos comerciais. Entre 2014 e 2015, houve uma redução de 11,62% no número de empresas (matrizes e filiais) no Estado do Piauí, representando o fechamento de 2.721 unidades empresariais.
Considerando as unidades locais das empresas (matriz e filiais juntas), que apresentaram receita de revenda em 2015, o Piauí registrou 20.689 estabelecimentos, representando 1,21% de todas as unidades do país.(Portalaz)