Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Mão Santa e comitiva visitam Centro Fitoterápico em Viçosa-Ceará

Aproveitando a visita realizada nas cidades de Tianguá e Viçosa, no Estado do Ceará, o prefeito de Parnaíba, Francisco de Assis de Moraes Souza, a primeira-dama do Município, Adalgisa Carvalho de Moraes Souza, o assessor do gabinete do prefeito, Sergio Inácio e o Superintendente de Agricultura, Ismael Abreu, realizaram na sexta-feira (20), uma visita técnica as instalações do Centro Fitoterápico, na Vila Santo Expedito, em Viçosa, Ceará.
O Centro Fitoterápico da cidade de Viçosa, no Estado do Ceará funciona desde 2002 e faz parte do Projeto “Farmácias Vivas” tendo como objetivo principal a produção de produtos com fins terapêuticos oriundos da flora medicinal da região.
Os produtos fitoterápicos produzidos abastecem as farmácias do Município, atendendo milhares de pessoas com medicamentos gratuitos, representando uma economia para o Município e um ganho para a população, pelo poder comprovado dos medicamentos desenvolvidos no Centro.
“O que nós não temos aqui é água, por isso o nosso trabalho fica prejudicado e não podemos criar outros projetos. Outro problema que dificulta o trabalho é a falta de pessoal, por isso mesmo, limitamos as visitas técnicas que muitos profissionais, professores e estudante nos fazem. Essas visitam hoje estão limitadas às sextas-feiras. De nosso laboratório e do nosso campo saem muitos medicamentos de fundamental importância para a economia do Município”, destacou o técnico agrícola José Sena.
O objetivo do prefeito Mão Santa e de seus assessores é agregar conhecimentos técnicos para idealizar projeto similar em Parnaíba, utilizando os recursos naturais, terra e água, que existem em abundância, no Distrito de Irrigação do Tabuleiro Litorâneo. “É muito importante esse intercâmbio e o conhecimento de projetos como esse, realizado pela prefeitura de Viçosa. Nós sabemos o alto custo dos medicamentos e com o desenvolvimento desses medicamentos fitoterápicos todos saem ganhando: Município e população”, avaliou Mão Santa.