Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

TEMER PERSEGUE O PIAUÍ

JOÃO MÁDISON (PMDB) ALEGA QUE SALÁRIOS NÃO VÃO ATRASAR APESAR DO PRESIDENTE MICHEL TEMER DISCRIMINAR PIAUÍ E CIRO NOGUEIRA NÃO TER FORÇA PRA LIBERAR EMPRÉSTIMOS
Para defender a gestão de Wellington Dias, o deputado João Mádison apontou que o presidente da República Michel Temer, que é de seu partido, está perseguindo o Piauí por questões políticas (foto: Marcos Melo | PoliticaDinamica.com)
"O Piauí está passando por um momento de crise. Mas atrasar salários? Jamais!", exclama o deputado estadual João Mádison, do PMDB governista. Quando alguém com os acessos que o parlamentar tem hoje no Governo do Estado fla uma frase dessas, a tendência é não duvidar. João fala com a certeza de que o seu próprio salário, não corre risco. E segundo ele, a garantia que os servidores podem contar com a mesma segurança financeira é dada pelo secretário de Fazenda Rafael Fonteles.
E apesar da crise que fez o governador Wellington Dias aumentar os impostos duas vezes este ano, o peemedebista acredita que no próximo ano haverá um cenário econômico bem melhor para o Piauí.  "As coisas caminham para um cenário melhor de investimentos na pecuária, no agronegócio e mobilidade urbana", ressalta. 
Talvez ele não tenha lembrado, mas 2018 é, vejam só, ano de eleição. Ou esteja esperando que justamente para fazer bonito em campanha, o governo acerte nos 6 primeiros meses o que errou nos 3 anos anteriores.

MICHEL PERSEGUIDOR

Histórica liderança do PMDB, João Mádison lamenta que o atual presidente da República Michel Temer, seu correligionário, esteja trabalhando contra a gestão do governador Wellington Dias, do PT, e perseguindo o Piauí. Ele não vê outra explicação plausível que não a justificativa de antagonismo eleitoral para a não liberação dos recursos da ordem de R$ 315 milhões da Caixa Econômica Federal para os cofres do Estado do Piauí.
Veja o vídeo!
O deputado fala, ainda, que apesar de Ciro Nogueira ser seu candidato a senador nas eleições de 2018, é preciso reconhecer que até mesmo ele não tem força suficiente para dissipar a perseguição de Michel Temer contra o Piauí. “Ciro, não pode fazer tudo”, comenta. Segundo João, “forças ocultas” com influência maior que a do senador presidente nacional dos Progressistas estão segurando os repasses dos empréstimos. (Marcos Melo)